Postagens

NUM LUGAR CHAMADO LAMI*

Imagem
conto publicado na revista eletronica http://www.bestiário.com/
maio/2006, ano 2, nº24 NUM LUGAR CHAMADO LAMI
(tema: preconceito-crime-mitologia)


Não! Não sou paranóico nem mentiroso, há anos durmo ao lado de uma cobra! Bunda e pernas lisa e geladas como todo o resto do corpo, a cada vez que me toca sinto calafrios. Magra muito magra, sem curvas, sem mamas... Adoro essa companhia desde quando começou a sussurrar seu nome, envolver-me no seu abraço, apertar-me inteiro, sufocar-me. Nunca foi de muita conversa, o certo é que passa o tempo todo assoviando.... Eu sempre fui bom de ouvidos desde pequeno, minha mãe de criação já dizia... Também não tenho aquilo a que chamam de braços e pernas, não me importo, nunca vi isso mesmo, sou cego de nascença e me criei neste lugar chamado Lami... Quando vim ao mundo contam que meu pai ficou assustado, tomou cachaça, bastante, saiu para pescar e não mais voltou, morreu afogado ali na ponta da Ilha do Cego; minha mãe de verdade, coitada, também ouvi dize…

A CRIATURA

Imagem
A  C R I A T U R A
(tema: ignorancia-culpa-arrependimento-)






"Azia azeda um burro com o pé em cima da pedra, azia azeda um burro com o pé em cima da pedra, azia azeda um burro com o pé em cima da pedra”. Era assim que Ela benzia Virgilino toda vez que este sentia aquela queimação na “boca” do estomago. Vou te curar meu amigo, vou te curar, dizia-lhe baixinho. Claro que as palavras rezadas pela benzedeira eram pronunciadas num cochicho quase inaudível, todavia, certo é que, seja pela fé do benzido ou os chás de boldo, macela e quebra-pedra que eram servidos logo em seguida, a predição da mulher, invariavelmente, dava certo. Dava, porque um certo dia Virgilino acabou prestando mais atenção do que devia nas palavras da amiga e não gostou do que ouviu. As ofensas foram duras de parte a parte. Ficaram de mal os dois. Ela não se fez de rogada indo logo benzer outros pacientes com osso rendido, unha encravada, icterícia e quebranto, fazendo suas receitas, carregando seus apetrechos, agulha…

MÓRBIDA SEMELHANÇA

Imagem
MORBIDA SEMELHANÇA
(tema:psicopatia, preconceito,crime)

Pai Eu não sou santo! Você sabe eu sei todo mundo sabe... A verdade é que matei Abelardo de um jeito que não tem perdão. O pior é ainda vê-lo andando por aí cabisbaixo, imensamente triste, um sentimento de culpa à me torturar... Ele era meu irmão Pai é meu irmão, meu único irmão! Você sabe o que fiz, mas sabe também que não foi por mal, pensava em mim. Afinal, não era eu,  não era Eu quem precisava dele?

Era uma vez dois irmãos...



Um se chamava Abelardo; o outro era eu, três minutos mais novo. Isso já não importa não é pai, nada mais será como antes. Família feliz, ambos muito bem cuidados; ele no futebol, eu lendo meus livros; ele e os amigos na rua, seus carros de lomba; discussões e reclamações minhas; brigas sempre dele. Mesma escola... adolescência complicada pra mim; festinhas e namoricos só dele, eu adpatado a um trabalho; ele numa profissão diferenciada... vinte, vinte e cinco trinta anos juntos, éramos o máximo! Até aí tudo…

DEMÔNIOS

Imagem
conto publicado na coletânea "102 que contam" organizada por Charles Kiefer em 2005
Editora Nova Prova, página: 285
D E M O N I O S

(tema; pedofilia, violência familiar, psicose )


Carregando apenas uma velha mala às costas Domenico sai do hospital São Pedro após longos dezessete anos de internamento. Caminha até a Igreja São Jorge, entra, faz algumas orações e lembra do ato de contrição aprendido com a dona Mira, sua catequista em Flamígera, “Meu Deus eu me arrependo de ter feito pecado, pois ofendi a vós que sois bom e amável, mereço ser castigado neste mundo e no outro, mas perdoa-me, Senhor, não quero mais pecar, amém". Sai quase correndo para fora do Templo, quem quer que fosse a figura que estava no altar, lhe pareceu antipática. Na calçada, vale-transporte nas mãos, apanha o ônibus da Linha Partenon em direção ao centro da Cidade. Em meio à multidão, caminha desengonçado, esbarra, tropeça e segue alheio a quase tudo. O médico lhe dissera que estava tudo bem, só não d…

POSSÍVEL FOSSE

Possível fosse fazer um doce; dos momentos tristes, amargos e afins, do fim! Possível fosse fazer um doce, das passadas largas, das fracas pisadas, do gozo noturno,  do corno diurno! Possível fosse fazer um doce, dos tormentos loucos, das cismas fajutas, da dura labuta,  das lutas vazias e dos falsos projetos! Possível fosse fazer um doce... Do orgulho que impede os encontros, os reencontros e a capacidade de perdoar, de amar! Possível fosse fazer um doce... Do fel de minha boca falando a toa, do sal do suor de quem se empenha, dos pesadelos de quem não dorme, das fantasias de quem nem sonha... Nem sonha! Possível fosse, possível fosse...

SÚPLICA

Sentia a toda hora, a cada novo instante, um amor descompassado a sacudir seu coração. Incertezas sempre mais e mais no vazio de sua existência. Esse amor não existe! Não existe! Não existe! Exclamava-lhe a razão! Mas... Preciso tanto tanto de um amor paciente e que me faça feliz! Gritava, gritava, lançando esta súplica ao vento e ao fogo das paixões! Porque alguém, em algum lugar... Tinha a certeza, haveria de estar querendo viver... Viver só de emoção! Ah, mas o tempo passava depressa, depressa! Sabia que já não era um moço, um covarde quem sabe...Um louco infeliz! Tinha é medo da esperança se esvaindo aos poucos. Minha vida! Vida minha! Meu amor gentil! Diga Onde está? Diga Onde está? Acalmai esta minha’alma desesperada e aflita! Incompreendida, incompreendida na ânsia de se completar...

OS IPÊS SE CARREGAM DE FLORES EM AGOSTO

Imagem
OS IPÊS SE CARREGAM DE FLORES EM AGOSTO

(tema: idade-preconceito-fantasma)


“Este conto foi produzido na oficina de Charles kiefer, é  minha homenagem  a  todas as mulheres que já floresceram..."
Sou Joaquim. Há alguns anos mudei de profissão, vivia da advocacia. Era ansioso, impulsivo e exagerado, percebi que deveria me afastar daquela formalidade toda e me afastei. Alguns de vocês dirão que sou piegas, um brega, um bobo, quem sabe um chato emotivo, e talvez tenham razão. Todavia, sou assim mesmo, pensem o que quiserem, esse é o meu lado feliz. Gosto disso! Hoje, pensava em alguém que marcou definitivamente minha existência. Tenho a nítida impressão de que é Ele, quem, ultimamente, anda por aí resmungando nos meus ouvidos, falando bastante, como fazia naqueles tempos em que resolvia, do nada, expor uma de suas idéias interessantes: “ – Meninos! É a partir dos trinta e cinco, quarenta e cinco anos de idade que as mulheres se tornam mais lindas e atraentes.”Mês de agosto como esse que…